Antivírus não é tudo!

A segurança da informação nunca teve tanta relevância quanto hoje, porém, muitas pessoas mesmo da área da tecnologia ainda pensam que a utilização de softwares antivírus é 100% efetiva contra qualquer ameaça, o que não procede.

Desde o advento dos ransomwares¹, a perda de dados tornou-se um problema potencial para pessoas e empresas, essa modalidade de software malicioso utiliza um tipo de código mutável, em que dependendo da origem da infecção e das características do equipamento infectado o código do vírus muda, dificultando a ação dos antivírus. Isso não é uma característica única desse tipo de vírus, vários outros tipos de vírus tem características semelhantes e conseguem enganar os softwares de segurança.

Para entender melhor, vírus são programas de computadores criados para roubar ou danificar informações e danificar equipamentos. As vacinas contra vírus de computador utilizadas pelos antivírus funcionam de forma semelhante as vacinas que tomamos para nos prevenir de contrair vírus como o da gripe por exemplo, usando fragmentos do próprio vírus para identifica-lo e combate-lo. Como os vírus que nos afetam, mesmo após tomar uma vacina para preveni-los ou impossibilita-los pode haver uma mutação no vírus original, fazendo a vacina perder o efeito por não tem informações suficientes para identificar o novo vírus.

 

Se antivírus não são 100% efetivos, o que  fazer para nos proteger?

 

Assim como não deixamos de sair de casa no meio de uma epidemia de gripe por que temos nossos afazeres cotidianos, não vamos deixar de utilizar computadores e parar a economia por causa de vírus de computador. Como acontece com os vírus biológicos, podemos evitar situações que nos exponham ao perigo dos vírus de computador, como por exemplo acessar páginas não confiáveis e abrir emails e links suspeitos, abaixo são apresentamos algumas dicas de prevenção:

 

Acessar páginas confiáveis

Acessar páginas de mídias sociais, banco e outros serviços é algo corriqueiro, muitas vezes temos o costume de digitar o endereço direto na barra do navegador. Para evitar o risco de acabar acessando uma página falsa, verifique o endereço que digitou antes de fazer qualquer coisa ou utilize o google para buscar a página usando o nome da instituição, normalmente será uma das primeiras opções da pesquisa. Uma dica para serviços utilizados com frequência é deixá-los salvos nos favoritos do navegador.

 

Verificar a procedência dos emails

Instituições financeiras não enviam emails de faturas, extratos, contas ou promoções sem conhecimento prévio do cliente, se receber qualquer email dessa natureza suspeite, ligue para a instituição e caso seja verdadeiro peça o reenvio o email, garantindo a veracidade do documento.

 

 Não abrir links sem conhecer a procedência

Muitos vírus são disseminados em links passados em mídias sociais como facebook e messengers como o whatsapp, para evitar ser pego sempre que alguém compartilhar algo, mesmo que diretamente para você e com alguma frase dizendo que já viu o conteúdo, pergunte sobre o conteúdo antes de abri-lo, muitos programas maliciosos podem se replicar sozinhos sem o conhecimento do remetente e utilizam engenharia social² para pega-lo de surpresa. Quando ver alguma notícia postada de uma página desconhecida, procure fontes confiáveis para validar a história, se o link se trata de uma promoção de alguma loja virtual, vá direto na fonte, não use o link, caso não conheça a loja, antes de qualquer coisa vá atrás de referências da instituição.

 

Utilizar o navegador em modo anônimo

Para navegar com mais segurança pode-se utilizar o navegador em modo anônimo, como o incognito do google chrome ou o private do firefox. Isso pode não ser utilizado apenas como meio de manter a privacidade e ocultar o histórico de navegação, mas também impedir que sites rastreiem suas ações na internet e melhorar a segurança do seu dispositivo. Sites deixam fragmentos que são armazenados temporariamente no seu dispositivo para diminuir o consumo de rede e melhorar a velocidade de navegação, usando o modo anônimo esses fragmentos são mantidos apenas durante a navegação, sendo excluídos assim que o navegador é fechado, o que dificulta a disseminação dos softwares maliciosos.

 

Além dessas dicas há muito mais formas de  prevenção, entre em contato conosco, nos acompanhe nas mídias sociais para saber mais !

Antivírus podem não ser 100% efetivos e as ameaças podem vir disfarçadas de várias formas e de todos os lados possíveis, mas tomando as mínimas precauções podemos sim evitar de ser atingidos por softwares maliciosos !

 

 

 

¹Tipo de vírus que “sequestra” dados criptografando-os e cobrando um valor variável para liberá-los

² Termo utilizado para descrever um método de ataque, onde alguém faz uso da persuasão, muitas vezes abusando da ingenuidade ou confiança do usuário, para obter informações que podem ser utilizadas para ter acesso não autorizado a computadores ou informações (fonte: terra).

O que achou do conteúdo ? Deixe seu comentário abaixo !

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *