Boas práticas de segurança X pirataria !

 A única certeza que se pode ter em relação a segurança da informação é que não há ambiente 100% seguro, e hoje, que a qualquer momento um vírus pode criptografar todos os dados da empresa. O desenvolvimento de políticas de segurança sólidas e a conscientização dos usuários sobre a utilização correta dos recursos de tecnologia reduzem drasticamente as chances de incidentes por má utilização de hardware, vírus, perda de dados ou vazamento de informações.

Integrante do processo de segurança, o inventário de ativos é uma etapa importante para obter o máximo de compreensão sobre ambiente gerenciado, possibilitando explorar, quantificar e qualificar os recursos disponíveis. Com as informações extraídas dessa etapa do processo de segurança, tem-se um panorama abrangente dos ativos e serviços que podem ser removidos, melhorados, alterados ou criados.

A execução recorrente do inventário possibilita monitorar e identificar softwares instalados sem autorização, reduzir custos com aquisições desnecessárias, fazer a realocação dos recursos disponíveis, controlar atualizações, planejar melhor processos diversos, validar se há softwares piratas no ambiente e verificar se a utilização das licenças existentes está de acordo com as regras de implementação impostas pelos fabricantes.

Ao manter o parque tecnológico devidamente em compliance, além de reduzir o risco de possíveis infecções por qualquer tipo de malware como os Ransomwares, que estão afetando até mesmo gigantes que investem milhões em hardware e software de segurança, você não corre o risco de enfrentar problemas judiciais.

Há 3 anos iniciou-se uma parceria entre o grupo BSA – The Software Alliance, criado pela Microsoft, e a Associação Brasileira de Empresas de Software(ABES). A parceria tem como meta defender a propriedade intelectual de empresas de tecnologia através de auditorias, que podem ser previamente agendadas ou por meio de denuncias feitas na página www.denuciepirataria.org.br. O volume de empresas brasileiras sendo auditadas aumentou exponencialmente desde que a parceria entre essas duas entidades começou e muitas definitivamente quase afundam devido as multas aplicadas pela pirataria e aplicação errônea de licenciamento.

Segundo informações do site de denúncias contra pirataria, 2.117 ações judiciais foram executadas desde 2013, acumulando US$ 20 milhões(Aprox. R$ 74 milhões) em multas a empresas brasileiras pela utilização de software pirata, sejam as empresas de pequeno, médio ou grande porte.

Para não fazer parte dessa estatística e correr o risco de gastar cifras de 6 dígitos em multas, mais a compra da licença para cada software pirata ou licenciado de forma errada, deve-se fazer inventários regulares e licenciar os softwares adquiridos corretamente.

O licenciamento não deve ser visto como custo ou apenas uma forma ficar em compliance com as empresas da indústria de software, ele é um investimento para que o desenvolvedor da ferramenta tenha recursos para manter e melhorar a segurança do produto, melhorar a qualidade dos serviços prestados e em alguns casos, manter-se no mercado.


Baixe nossas cartilhas sobre inventário e segurança nos links abaixo:

Cartilha sobre inventário

Cartilha sobre segurança

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *